Imprimir 

Gestor deve se abster ainda de realizar outras contratações ilícitas
 
O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por meio da Promotoria de Justiça da comarca de Angicos, recomendou que o prefeito de Fernando Pedroza anule o contrato administrativo firmado com um escritório de advocacia. O documento foi publicado no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (13), e diz ainda que o gestor deve se abster de realizar outras contratações ilícitas. Ele deve informar o MPRN as medidas adotadas para o cumprimento da recomendação.
 
A situação foi investigada pela Promotoria de Justiça que analisou o procedimento que antecedeu a contratação (em 15 de agosto de 2018) de um escritório de advocacia pela Prefeitura de Fernando Pedroza para recuperação de créditos do Fundo de Participação dos Municípios. 
 
A análise revelou que não houve a comprovação de nenhum dos requisitos da Lei de Licitações e Contratos Administrativos e que a proposta do contratado assemelha-se, em tudo, ao termo de referência elaborado pela Secretaria Municipal de Administração e Finanças.  Os autos administrativos do procedimento de contratação direta não estão sequer numerados. Para o MPRN, são indícios “de que houve a mera formalização ajustada de contrato já previamente firmado”.
 
Na recomendação, o MPRN aponta que há parecer jurídico contrário à contratação examinada, da Procuradoria do Município de Fernando Pedroza, e mesmo assim o contrato foi firmado. No documento encaminhado ao prefeito, a Promotoria de Justiça informa o encaminhamento de cópia dos autos investigativos ao Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte, para que tome as providências que julgar cabíveis.
 
Para ler a recomendação na íntegra, clique aqui.