Nascer com dignidade: duas Recomendações e três Inquéritos publicados

» 1/3/2011 - 10:55h
por Diretoria de Comunicação




Dando continuidade às ações previstas no projeto “Nascer com Dignidade”, três Promotoras de Justiça instauraram três inquéritos civis e duas recomendações. Nas cidades de Canguaretama, Baia Formosa e Vila Flora, a Promotora de Justiça Adriana Lira da Luz Mello instaurou inquéritos civis estabelecendo o prazo de 15 dias para que as Secretarias Municipais de Saúde prestem esclarecimentos sobre a atenção  pré-natal e puerperal.
Com a mesma preocupação de buscar a reduzir os índices relativos à mortalidade materna e infantil, as Promotoras de Justiça, Patrícia Antunes Martins e Marília Regina Soares Cunha expediram recomendações em Pau dos Ferros e Florânia, respectivamente. Nas recomendações elas pedem que o Executivo municipal adote todas as providências necessárias ao cumprimento das metas e ações previstas no Plano Operativo Municipal para Redução da Mortalidade Infantil, em cada um dos seus eixos, nos prazos nele previstos; e estruturem a rede de serviços de saúde do município para prestar, diretamente e/ou mediante mecanismos estabelecidos de referência e contra-referência, a atenção ao pré-natal, ao parto, ao puerpério e ao recém-nascido, de acordo com aos parâmetros estabelecidos no Anexo I da Portaria MS 1.067/2005 (Política Nacional de Atenção Obstétrica e Neonatal), e demais diplomas legais e infralegais aplicáveis, observando rigorosamente as seguintes exigências:

1) Na atenção ao pré-natal:

- Captação precoce das gestantes, com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias de gestação, procedendo-se ao necessário cadastramento e alimentação regular do SISPRENATAL (sistema de acompanhamento do programa de humanização no pré-natal e nascimento), devendo os agentes comunitários de saúde e as equipes de saúde da família, para tanto, realizar busca ativa permanente dessa população gestante;
- Realização de, no mínimo, seis consultas de pré-natal, sendo, preferencialmente, uma no primeiro trimestre, duas no segundo trimestre e três no terceiro trimestre da gestação;
- Estímulo ao parto normal e resgate do parto como ato fisiológico;
- Oferta dos exames laboratoriais obrigatórios, cujos resultados devem ser disponibilizados em tempo hábil para permitir a adoção eficaz dos procedimentos/tratamentos necessários: ABO-Rh (na primeira consulta); Dosagem de Hemoglobina e Hematócrito (na primeira consulta); Glicemia de jejum (um exame na primeira consulta e outro próximo à 30ª semana de gestação); Teste de Tolerância à Glicose (caso necessário); VDRL (um exame na primeira consulta e outro próximo à 30ª semana de gestação); Urina tipo 1; Urocultura (se necessário); Testagem anti-HIV (um exame na primeira consulta, sem prejuízo da testagem rápida no momento do parto); Sorologia para hepatite B (próximo à 30ª semana de gestação); Sorologia para toxoplasmose (na primeira consulta)
- Oferta de Ultrassonografias obstétricas, se necessário;
- Oferta de imunização antitetânica, com aplicação de vacina dupla tipo adulto até a dose imunizante (segunda) do esquema recomendado ou dose de reforço em mulheres já imunizadas;
- Classificação de risco gestacional, na primeira consulta e nas subseqüentes, diagnosticando precocemente a gestante de risco, proporcionando a ela o encaminhamento adequado por meio do sistema de referência e contra-referência, e garantindo vínculo e acesso à unidade de referência para atendimento ambulatorial e/ou hospitalar especializado;
- Registro de todas as consultas, exames e procedimentos realizados em prontuário, no cartão da gestante e no SISPRENATAL;
- Garantia de recursos humanos, físicos, materiais e técnicos para acompanhamento da gestante segundo os princípios e diretrizes da política nacional de atenção integral à saúde da mulher, no seu contexto familiar e social, com estruturação das unidades de saúde que realizam a atenção ao pré-natal, dotando-as de área física adequada para atendimento à gestante e familiares, com boas condições de higiene, ventilação e privacidade, equipamentos e instrumentais necessários para o desenvolvimento das ações da atenção pré-natal e mantendo-as permanentemente abastecidas com os medicamentos essenciais (antiácidos, antieméticos, sulfato ferroso, ácido fólico, dimeticona, supositório de glicerina, hioscina, analgésicos, antibióticos, anti-hipertensivos, anticonvulsivantes e cremes vaginais).
- Estrita e rigorosa observância da garantia do direito da gestante ao conhecimento e à vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do SUS, nos termos da Lei nº 11.634/2007, pondo fim, de forma definitiva, à desumana e até o momento recorrente peregrinação de mulheres pelos serviços de saúde em busca de assistência, devendo a direção municipal do SUS, caso a unidade de saúde não seja adequada para o tipo de atendimento necessário, responsabilizar-se pela assistência à gestante até que seja garantido o transporte seguro e a transferência para outra unidade de maior complexidade;

2) Na atenção ao parto:

- Estrita e rigorosa observância da garantia do direito da gestante a presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato (período compreendido nos 10 dias posteriores ao parto), nos termos da Lei nº 11.108/2005, da Portaria MS 2.418/2005, e do item 9.1 da RDC n. 36/2008 da ANVISA;
- Adequação dos serviços de atenção obstétrica e neonatal sob gestão municipal aos parâmetros estabelecidos RDC n. 36/2008 da ANVISA (Regulamento Técnico dos Serviços de Atenção Obstétrica e Neonatal), destacando-se que o artigo 4º da referida norma fixou o prazo de 180 dias para que todos os serviços em funcionamento, por ela abrangidos, se adequassem ao preconizado naquele Regulamento;
- Garantia dos medicamentos essenciais para o atendimento das situações normais e das principais intercorrências do parto, dentre os quais se destacam: A) sulfato de magnésio; B) corticóide; C) surfactante pulmonar; D) hidralazina; E) metildopa; F) nifedipina; G) vitamina K;
- Garantia de realização, no momento do parto, das testagens rápidas de HIV e VDRL (essenciais para se evitar a transmissão vertical do HIV e da sífilis); e de administração da imunoglobulina anti-Rh às mulheres isoimunizadas (mãe com fator Rh negativo e feto com fator Rh positivo);
- Transferência da gestante e/ou do neonato em transporte adequado, mediante vaga assegurada em outra unidade, quando necessário;

3) Na atenção ao recém nascido:

- Presença obrigatória de pediatra ou de outro profissional capacitado em reanimação neonatal na sala de parto;
- Oferta, nos prazos preconizados nos protocolos do SUS, do Teste do pezinho (triagem neonatal), do Teste do olhinho (teste do reflexo vermelho) e do Teste da orelhinha (triagem auditiva neonatal ou emissões otoacústicas evocadas), nos termos da Lei nº 8.069/90 (artigo 10), da Lei Complementar Estadual nº 398/2009, da Lei Estadual nº 8.863/2006 e da Lei Federal nº 12.303/2010;
- Estímulo à amamentação e garantia do seu início na sala de parto, bem como de alojamento conjunto para a mãe e o recém nascido saudável desde o nascimento, favorecendo o vínculo mãe / bebê;
- Garantia da presença de acompanhante ao recém nascido, quando este necessitar de internação, nos termos do artigo 12 da Lei n. 8.069/90;
- Garantia de acesso a todos os níveis de assistência, incluindo UCI e UTI neonatal, quando o recém nascido necessitar;
- Garantia de transporte adequado ao recém nascido quando necessário;
- Garantia, ao recém nascido, da primeira dose da vacina contra a hepatite B nas primeiras 12 horas de vida (e duas doses posteriores, nos prazos próprios), da vacina BCG ainda na maternidade, da imunoglobulina anti-hepatite B aos recém nascidos filhos de mães HbsAg positivas, e da quimioprofilaxia imediatamente após o nascimento e durante as seis primeiras semanas de vida (42 dias) aos recém-nascidos de mãe soropositivas, sem prejuízo dos demais esquemas vacinais, nos prazos próprios (poliomielite, tétano, coqueluche, difteria, tetravalente e tríplice viral).
- Garantia da abertura e do preenchimento da Caderneta de Saúde ou Cartão da Criança e de entrega da Declaração de Nascido Vivo, na maternidade;

4) Na atenção ao puerpério:

- Atenção à mulher e ao recém-nascido na primeira semana após o parto (VISITA DOMICILIAR), com realização das ações da “Primeira Semana de Saúde Integral” e realização da consulta puerperal (entre a 30ª e 42ª semanas pós-parto), devendo os agentes comunitários de saúde e as equipes de saúde da família proceder a permanente busca ativa para identificar as mulheres que não fizeram a consulta puerperal.

Além disso, os municípios devem designar profissional (ou equipe) para ficar responsável pelo cadastramento e alimentação dos sistemas SISPRENATAL, SIM e SINASC, bem como pela vigilância e investigação dos óbitos maternos, dos óbitos de mulheres em idade fértil e dos óbitos infantil e fetal.

O projeto Nascer com Dignidade foi lançado este mês em Natal, Mossoró e Caicó, com o intuito de sensibilizar todos os Promotores de Justiça para que eles deem prioridade na sua atuação para essa área, como forma de reduzir os índices de mortalidade em todo o Estado.

Contato: (84) 3232-7146 / pgj-ascom@rn.gov.br
Acesse o Portal de Notícias do MPRN www.mprn.mp.br

Mais Notícias



14/7/2014 - 15:57h - MP quer revisão de segurança nos postos de combustíveis
Promotorias de Justiça de Acari e Cruzeta celebraram nove termos de ajustamento de conduta (TACs) com postos de combustíveis de quatro municípios
Leia mais


14/7/2014 - 15:06h - Atuação em Apodi é destaque internacional
Promotor de Justiça Silvio Brito, da comarca de Apodi, fala ao jornal espanhol El País sobre iniciativa de incluir carne de jumento no cardápio do brasileiro
Leia mais


12/7/2014 - 11:44h - MP discute segurança nos estádios para restante do Brasileirão
Promotor Luiz Eduardo Marinho Costa reuniu representantes da Polícia Militar, FNF, Arena das Dunas e Estádio Maria Lamas Farache
Leia mais


12/7/2014 - 11:36h - Ministério Público promove palestra sobre direito de família
PGJ destaca constante evolução do tema, devido as demandas terem se multiplicado significativamente nos últimos tempos
Leia mais


11/7/2014 - 09:56h - Parelhas: MP recomenda que se evite eventos em vias públicas
Recomendação ministerial orienta que eventos só podem ser realizados se estiverem de acordo com o parecer técnico do Corpo de Bombeiros
Leia mais


10/7/2014 - 12:13h - MP vai à Justiça contra permanência de disposição de lixo no Guajiru
Ação foi ajuizada contra município, prefeito e Idema devido permanência de descarte de resíduos; e outra contra Limpe Express por disposição irregular
Leia mais


8/7/2014 - 12:00h - MP doa bens à Secretaria de Segurança Pública
Termo de Doação foi assinado na manhã desta terça-feira no gabinete do Procurador-Geral de Justiça; bens estão avaliados em R$ 35,2 mil
Leia mais


8/7/2014 - 09:53h - Mossoró: Condomínio comercial ajusta melhorias na acessibilidade
Termo de Ajustamento de Conduta foi firmado entre 18ª Promotoria de Justiça e o responsável pelo condomínio, que tem seis meses para comprovar modificações
Leia mais



OUTRAS NOTÍCIAS